Get Adobe Flash player

STJD revoga pedido e Figueirense seguirá na Série B

STJD revoga pedido e Figueirense seguirá na Série B

Time catarinense é o lanterna da Série B do Brasileiro
 
A Procuradoria do Supremo Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) garantiu por nota oficial que o pedido do ex-gestor do Figueirense, Claudio Honigman, para que a equipe fosse excluída da Série B do Campeonato Brasileiro, foi revogado e o time seguirá na competição normalmente.
 
Depois de receber o pedido de Honigman, junto à CBF, o STJD entrou em contato com o clube para que se manifestasse. De imediato, o Figueirense enviou uma série de documentos comprovando que Claudio não fazia mais parte da instituição e o contrato com a empresa Elephant, que era presidida por ele e que comandava o clube há anos, já estava rompido.
 
Na última colocação da tabela, o Figueirense tem 23 pontos, dois a menos que o Vitória, primeiro time fora da zona de rebaixamento. O próximo desafio da equipe será diante do vice-líder Atletico-GO, fora de casa, na próxima sexta-feira, às 21h30.

Em documento assinado pelo presidente da Elephant, Claudio Honigman, o clube alegou dificuldades financeiras e chegou a citar a greve de funcionários que resultou no WO diante do Cuiabá. Além disso, o ofício dizia também que uma grave crise política ronda o clube.
 
Após a comunicação, o presidente do STJD, Paulo Salomão Filho, recebeu o ofício e encaminhou para a Procuradoria analisar. Diante disso, o procurador-geral Felipe Bevilacqua emitiu um despacho solicitando esclarecimentos ao Figueirense no prazo de 24 horas. Foi aberto também um procedimento preliminar para averiguação das responsabilidades dos envolvidos, uma vez que o ato constitui infração.
 
Após recebimento do requerimento de manifestação, o clube emitiu documento garantindo que “de forma irrevogável e irretratável o Figueirense continuará na disputa da competição”.
 
A agremiação disse ainda que a empresa Elephant foi afastada do comando do clube em tutela de urgência na última sexta-feira, e que o ofício enviado não tem validade jurídica, uma vez que somente o presidente do Conselho Deliberativo, Francisco de Assis Filho, está habilitado para assinar qualquer representação.
 
 
Fonte: Gazeta Esportiva 
Divulgação: Site Eternamente Futebol
Em 25 de setembro de 2019