Presidente do Fortaleza vê necessidade de redução salarial para jogadores durante paralisação

Presidente do Fortaleza vê necessidade de redução salarial para jogadores durante paralisação
 
 

Entretanto, ainda não há qualquer definição sobre qual será a porcentagem aplicada na remuneração e quando ocorrerá tal medida
 
A diretoria do Fortaleza Esporte Clube avalia como necessária a redução salarial dos jogadores devido à pandemia do coronavírus, que resultou na paralisação do futebol brasileiro. Entretanto, ainda não há qualquer definição sobre qual será a porcentagem aplicada na remuneração e quando ocorrerá tal medida.
 
Redução salarial de 25% dos atletas é uma das propostas formuladas pela Comissão Nacional dos Clubes (CNC) para flexibilizar a remuneração de atletas e amenizar os prejuízos durante a quarentena. A CNC tem a participação de 48 clubes, incluindo o Fortaleza.
 
O presidente do Tricolor, Marcelo Paz, participou da última reunião da Comissão, realizada de forma virtual. "Entendo que é necessário que tenha algum tipo de redução de salário nesse período. Não tem como manter as receitas bem menores do que o normal e manter salários na mesma condição. Essa conta não fecha", afirmou o mandatário ao Esportes O POVO.
 
Apesar do entendimento, o dirigente explica que a situação requer diálogo. No momento, o Fortaleza estuda a melhor forma de aplicar a medida de redução salarial em meio à pandemia. A diretoria tricolor tem mantido conversas com os jogadores do elenco tricolor.
 
"Diálogo e compreensão são o melhor caminho. Mas tenho certeza de que todos os clubes terão dificuldades de manter suas obrigações a serem pagas em abril", diz Marcelo.
 
Outra proposta da Comissão é de férias coletivas para os jogadores de 20 dias, entre 1º a 20 de abril. A diretoria do Leão também avalia a situação, mas não tem nada decidido até o momento.
 
Para formular a proposta de redução salarial, a CNC se ancorou no Artigo 503, da Lei Trabalhista, que afirma: “É lícita, em caso de força maior ou prejuízos devidamente comprovados, a redução geral dos salários dos empregados da empresa, proporcionalmente aos salários de cada um, não podendo, entretanto, ser superior a 25%, respeitado, em qualquer caso, o salário mínimo da região”.
 
O documento elaborado pelo CNC afirma que as propostas levam em consideração “o cenário de dificuldades que se apresenta no Brasil a partir das previsões das autoridades sanitárias”, a Medida Provisória 927, editada pelo presidente Jair Bolsonaro, e a Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT). As negociações da Comissão com os atletas são lideradas pelo presidente do Fluminense, Mário Bittencourt.
 
As propostas da CNC serão apresentadas à Federação Nacional dos Atletas Profissionais de Futebol (Fenapaf). A entidade se posicionará nos próximos dias, de acordo com o desejo dos atletas.
 
Por Lucas Mota - O Povo 
Em 25 de março de 2020 
Marcelo Paz, presidente do Fortaleza (Foto: Xandy Rodrigues/Divulgação)
ETERNAMENTE FUTEBOL