Futebol-arte:crônica da minha saudade

Futebol-arte:crônica da minha saudade
 
O Mundial de Seleções de 1970 foi transmitido em preto e branco. Ainda não havia , no Brasil , TV em cores. Pela TV , todas as Seleções tinham a mesma cor: preto e branco. Tive que comprar um álbum de figurinhas pra saber as cores de cada equipe. Escolhi como segunda Seleção aquela que tinha as cores do meu time de coração.Mas, ver os jogos pela TV ,ao vivo,já era muita coisa.Contudo havia um problema. Na rua estreita e pequenina em que eu morava só existia uma residência com TV.
 
Nos dias de jogos da Seleção o dono da casa trancava portas e janelas . Somente os amigos mais "chegados" tinham o privilégio de ver os jogadores bem de pertinho,quase com a cara colada à Tv. Para as crianças e adultos apaixonados pela Seleção sobravam as frestas das janelas,das portas e o buraco da fechadura da casa,quando ficava sem a chave. Eu disputava com as outras crianças e alguns adultos a ferro e fogo aqueles benditos e minúsculos espaços. Adorava ouvir o locutor dizer:"qué qué isso,minha gente","É gooool do Brasil" e outras frases que deixavam meu coração de criança batendo dobrado.Eu gostava tanto de ver os jogos que ficar com a cara "pregada" à janela não me incomodava e já marcava no pensamento novo encontro ,naquele mesmo"bat local"para o próximo jogo. "É gooooool... do Brasil". Meu coração abria um sorriso mágico e feliz...
 
No Mundial de 1974, na Alemanha,eu morava com minha irmã mais velha no centro de Fortaleza , na Avenida Duque de Caxias. Já era adolescente (estava no início) e já havia TV em cores. A praça José de Alencar ficava a três quarteirões dali.Em casa havia TV , mas em preto e branco. Eu queria ver os jogos da Seleção numa Tv em cores. Nos dias de jogos me deslocava para a centenária praça do teatro.
 
No centro dela havia dois banheiros públicos e sobre o teto de cada um deles uma TV colorida. Era tudo o que eu queria. A situação era melhor que na Copa de 70.
 
Havia na época uma Seleção de camisa cor de laranja que era uma sensação, uma magia só.Nenhuma outra equipe apresentava um futebol tão diferente e mágico.Seus atletas eram velozes como o guepardo e astutos como a serpente. Corriam feito cavalo selvagem o campo todo , sem parar. Johanes Cruyff ,Neeskens , Krol,Rensenbrik , Rep eram os núcleos da "laranja mecânica", como ficou conhecida a Seleção holandesa.
 
Os craques holandeses não guardavam posição fixa , atacavam e defendiam.Era o chamado Carrossel holandês.Eu só tinha visto a "Laranja" na TV em preto e branco. Vi o carrossel "enfiar" com facilidade 4 x 0 nos "hermanos"(Argentina).
 
No dia 03 de julho lá estava eu , na lotada praça pra ver a Holanda jogar contra nossa Seleção. A "Laranja mecânica"vista na TV em cores parecia ser mais encantadora. Suas cores me fizeram aumentar-lhe a simpatia, mas jamais trairia a Seleção canarinho.Troca-se de mulher , mas não de time , dizem por aí.Pelo que já havia visto do Brasil , sabia que não passaríamos pelo carrossel holandês.De qualquer forma , o jogo entre Brasil e Holanda era um choque de cores fortes: laranja e amarelo.Um duelo de uma Seleção revolucionária contra a tradição da Seleção tricampeã , nada mais. Nosso time comandado por Zagalo chegou com dificuldades e dores à segunda fase.
 
Faltavam Pelé , Carlos Alberto , Clodoaldo , Gérson , Tostão , dentre outros craques da Copa de 70.Praticamente , as esperanças estavam nos remanescentes Jairzinho e Rivelino.Senti pena de nossa Seleção e relembrei ali mesmo, na praça, o encanto e a magia da equipe de 70. Senti falta e saudade da alegria do futebol daquela Seleção. Gostaria que aquela espledorosa equipe estivesse ali,frente a frente com a Seleção holandesa , para ensinar-lhe os "quatro cantos da parede(do campo)". Mas eu sabia que isto era impossível. O encanto daquela Seleção pertencia somente ao ano de 1970.Preferia estar com a cara "enfiada" nas frestas da janela pra ver em preto e branco a Seleção jogar a estar à frente de duas TVs em cores para ver a Canarinho levar "um passeio de bola" do carrossel holandês.
 
.Final de jogo: Laranja 2x0 Amarelo. A Holanda se classificaria com sobras para disputar a final com a Alemanha.Saí triste da praça , pensando por qual seleção torceria na final do Mundial.Sem que minha mente percebesse , meu coração escolheu a Alemanha pra torcer na finalíssima.Mas eu simpatizava "A laranja mecânica" por que torceria pelo futebol frio e racional dos alemães? Meu próprio coração respondeu: -a Holanda eliminou o Brasil da Copa. (coisa de torcedor).
 
No dia da final da Copa (07 de julho de 1974) lá estava eu em frente à Tv em preto e branco(em casa mesmo) pra torcer como nunca contra a Holanda . Desanimei ao ver os holandeses saírem à frente no placar. Mas percebi que parecia faltar uma banda da "Laranja".
 
O futebol apresentado pelos holandeses naquela partida , não tinha o mesmo refino e encanto das partidas anteriores.Os alemães , na fina l, se mostraram mais aplicados e dispostos , desenvolvendo um futebol frio , racional e produtivo. De virada , deu Alemanha: 2x1.O futebol-arte se rendia à aplicação , força e frieza da Seleção alemã.
 
Há uma frase de um cronista e político brasileiro que diz"o primeiro tempo é dos vencedores e o segundo, dos determinados". Essa frase resume bem a final do Mundial de 74. É provável que jamais vejamos novamente o encanto e beleza do futebol da Seleção Brasileira de 1970 e o esplendor e arte proporcionados pelo carrossel holandês em 1974. Porém , elas estarão sempre guardadas no meu relicário de saudades.

 
 
Marcos Antonio Vasconcelos Rodrigues - Redator do Site Eternamente Futebol , acompanha futebol desde os anos 1970. Professor concursado da Rede Pública Estadual de Ensino do Ceará. 
 
Possui especialização em língua portuguesa e literatura, autor do livro Palavras do meu sentimento.
 
Texto publicado no Recanto das Letras em 17/12/2011
Em 30 de novembro de 2019 , às 22h50mi