Get Adobe Flash player

24h após tragédia, jogadores do Flamengo se reapresentam

24h após tragédia, jogadores do Flamengo se reapresentam 
 
24 horas. Poderiam ser 24 dias. Talvez 24 anos. Mas o tempo jamais apagará a dor. 24 horas depois da maior tragédia dos 123 anos do Flamengo, o Ninho do Urubu – onde pouco depois das 5h de sexta-feira as chamas consumiram um container usado pela base no Centro de Treinamento deixando 10 mortos – teve uma alvorada mais triste. Com bandeira a meio mastro. E treino do profissional foi confirmado, mas sem trabalho com bola, apenas para jogadores se reunirem.
 

Pouco antes das 8h, Leomir, auxiliar de Abel Braga, chegou ao CT. Antes, às 7h, o supervisor de futebol Gabriel Skinner apareceu no local.
 
A semifinal da Taça Guanabra, diante do Fluminense, foi transferida para quinta-feira, 20h30, no Maracanã. Até lá, ficará a imagem da tragédia. Na manhã deste sábado, 24 horas após o fogo, um silêncio ensurdecedor. Um segurança fazia a segurança da entrada do Ninho. Aos pés da estátua de George Helal na entrada do CT, homenagens; ao lado, a bandeira rubro-negra a meio mastro.
 
 Vítima era goleiro e defendia a Seleção
+ Semifinais da Taça GB são adiadas
+ Garoto em estado grave é transferido de hospital
+ Meia contraria a mãe, dorme em casa e escapa
+ Flamengo não tinha laudo dos bombeiros
+ Meia do sub-17 diz que fogo começou no seu quarto
+ Landim: "Maior tragédia em 123 anos"
 

- É doído demais. Agora é cuidar dos que ficaram - disse um funcionário.

Ainda na noite de sexta, dia da tragédia, torcedores improvisaram uma missa na paróquia São Sebastião, em Vargem Grande. Foi uma homenagem aos mortos, que tinham entre 14 e 16 anos.
No departamento de futebol, o diretor Carlos Noval sentiu a dor profunda. Em meio à consternação geral, Noval é um dos mais abalados. 

inda como setorista de Flamengo, em um papo com o hoje diretor de futebol Carlos Noval no fim de 2011 para uma matéria, ele, à época principal responsável por toda base, disse.

Em on: “Acaba que sou mesmo um pai para os meninos. Não tem essa de passar a mão na cabeça, é uma luta diária para, além de jogadores, formarmos homens. Por isso, vamos plantando uma sementinha na cabeça deles”.

Em off, que na verdade merece ser on, sobre sua paixão pela base: “Você entra no vestiário depois dos jogos, os meninos do mirim, juvenil, estão todos pulando, chorando, cantando o hino”.

 

 

 

 

Por Janir Júnior — Rio de Janeiro
 

09/02/2019 07h13 
 

Atualizado 

há 58 minutos

Divulgação: Site Eternamente Futebol 
Em 09/02/2019