Clubes anunciam acordo com Turner até 2024, mas TNT ainda pode sair em 2022

Clubes anunciam acordo com Turner até 2024, mas TNT ainda pode sair em 2022
 
Gabriel Vaquer
Colaboração para o UOL, em Aracaju
19/08/2020 17h02
 
Em comunicado conjunto, os sete clubes com contrato ativo com a Turner para o Brasileirão deste ano (Palmeiras, Santos, Coritiba, Athletico, Fortaleza, Ceará e Bahia) afirmaram que acertaram problemas pendentes com a programadora em relação ao contrato, que dura até 2024. O acordo já estava apalavrado há algumas semanas e foi assinado hoje (19).
 
Nesse acordo, como adiantou o UOL Esporte semanas atrás, há o entendimento de que a programadora americana pode sair do Brasileirão em 2022 sem que seja necessário o pagamento de multa aos clubes. Se a Turner optar pela saída, os direitos seriam devolvidos aos clubes que se manteriam em bloco e renegociariam os direitos de transmissão com outros grupos de televisão.
 
"É com satisfação que o Santos FC comunica que, em conjunto com Athletico, Bahia, Ceará, Coritiba, Fortaleza e Palmeiras, chegou a um acordo com a Turner para manter seu contrato de TV Fechada até 2024", divulgou o clube paulista em suas redes sociais, em texto semelhante a ao escrito por Bahia e Fortaleza.
 
Com o novo acordo assinado, a Turner irá retomar imediatamente o pagamento pelos direitos de transmissão do campeonato deste ano. A Turner distribuirá cerca de R$ 104 milhões para os oito times referentes à primeira parcela do pagamento. O restante será transferido após o fim do Brasileirão, previsto para fevereiro de 2021.
 
Após os clubes confirmarem o acordo, a Turner divulgou na programação da TNT a primeira grande chamada para o Brasileirão deste ano. O mote do comercial foi "só quem torce sabe", chamando o torcedor pelo emocional.
 
Para evitar uma disputa jurídica, a Turner e clubes chegaram a um consenso. O contrato até 2024 foi mantido, mas a cláusula de saída da Turner foi incluída. Outras questões, como reclamações de privilégios dados à Globo, também foram discutidas.
 
O acordo foi costurado pela empresa Livemode, de Edgar Diniz, que foi o fundador do Esporte Interativo e representou quase todos os clubes, com exceção do Internacional.
 
O clube gaúcho possui acordo até o fim desta temporada e não criou problemas para o desfecho. O Inter vai receber os pagamentos e vai cumprir o contrato, aderindo ao pacote da Globo posteriormente.
 
Agora, a Turner tem apenas um problema: a briga jurídica pelo entendimento diferente da MP 984, que dá ao mandante o direito de exibição de uma partida. A Globo processou a programadora hoje e afirma que ela não pode exibir jogos que envolvam clubes que fecharam com a emissora carioca.