Ceará monitora “sonho” Raffael; Fortaleza ainda busca Jean Mota

Ceará monitora “sonho” Raffael; Fortaleza ainda busca Jean Mota
 

terça-feira, 07 de julho 2020

 

Mesmo em tempos de pandemia, de futebol limitado a treinamentos com jogadores mantendo distanciamento, de incertezas com relação a quando o torcedor voltará a assistir novamente uma partida das arquibancadas, os clubes buscam encontrar espaço para avaliar o mercado e tentar achar bons negócios para quando tudo voltar ao “normal” no mundo futebolístico. Os treinadores Guto Ferreira, do lado alvinegro e Rogério, por parte dos leoninos, avaliam nomes, situações e possibilidades, para que as direções entrem em ação.

O Ceará sonha em trazer Raffael há algumas temporadas. Nascido em solo fortalezense, o meia-atacante é torcedor assumido do Vozão, onde esteve em 2019 visitando as instalações do clube e reafirmando que nutria o desejo de ainda vestir a camisa alvinegra antes de encerrar a carreira. Filho do ex-lateral Caetano, que destacou com as cores do rival Fortaleza, Raffael sempre esteve no radar de Porangabuçu.

Com mais recursos, organização e estrutura de quem está disputando a Série A do Campeonato Brasileiro mais frequentemente, a direção do Mais Querido acredita que chegou o momento de realizar o sonho de ambos os lados. Sonho esse que se tornou ainda mais possível com os rumos da carreira do jogador cearense no futebol alemão, onde é ídolo e atua desde de 2008 (com exceção da temporada 2012-13, quando defendeu o Dínamo de Kiev, da Ucrânia).
 
Não fica

Raffael é uma das figuras mais importantes do Borussia Mönchengladbach nos últimos anos. Chegou ao clube no final de 2013 de lá para cá foi conquistando o coração do torcedor com gols, assistências e ótimas performances. Entretanto, apesar de idolatrado, o meia não seguirá vestindo a camisa verde e branca, decisão que foi anunciada no mês passado. “Optamos por não estender o contrato do Raffael. Ele tem sido um jogador-chave no clube e merece uma despedida adequada com os fãs. Foi uma decisão esportiva, mas as negociações foram abertas e amigáveis. Nós nos separamos em termos muito bons”, explicou Max Eberl, diretor do Gladbach.

Sendo assim, aos 35 anos, Raffael teria caminho livre para vir ao Brasil e atuar pela primeira vez como jogador profissional, já que deixou o País ainda garoto, em 2003, por ser destaque no futebol de salão. Curiosamente, “Faísca”, apelido que ganhou pela velocidade nos tempos da bola pesada, pode trilhar o mesmo caminho do irmão mais novo, Ronny, só que mudando o destino final.

Ronny deixou o futebol alemão (mais precisamente o Hertha Berlim), em 2017, quando decidiu aceitar o convite do Fortaleza para ajudar o clube do Pici a buscar a sonhada saída da Série C do Campeonato Brasileiro. E foi com a camisa tricolor que o caçula da dupla encerrou a carreira no mesmo ano. Raffael tem a oportunidade de fazer o mesmo.
 
Mais real

O nome do meia-atacante tem sido comentado nos bastidores de Porangabuçu como sendo uma possibilidade, embora seja sabido por todos no clube que a idade não deve ser empecilho para Raffael receber propostas para permanecer na Europa, inclusive no próprio futebol alemão. Competir financeiramente seria inviável, restando tentar seduzir o possível reforço apelando para o lado sentimental.

“Tem crescido o meu desejo de jogar no Brasil, mas no momento seria muito difícil. Até porque praticamente toda a minha carreira foi construída aqui na Europa. E recentemente eu recebi minha naturalização alemã, então agora fica um pouco mais complicado de jogar no Brasil. Mas sempre haverá o desejo. Mas não sei quando. A minha prioridade vai ser o Ceará. Tive uma conversa com o presidente [Robinson de Castro], me encontrei com ele, mas tinha contrato. Foi uma conversa em que ele abriu as portas para mim, mas nada além do que isso. Se um dia eu voltasse, seria para jogar no Ceará”, afirmou o jogador, em maio deste ano, ainda durante as negociações para a renovação que não aconteceu.
 
Novela Jean Mota: negociação esfria
 
A história entre Fortaleza e Jean Mota já esteve mais perto de um final feliz nos últimos dias. Não é segredo para ninguém que o polivalente jogador do Santos é um dos sonhos da direção do Leão do Pici para a disputa do Campeonato Brasileiro ainda desta temporada. Na prática, as conversas continuam, mas o Tricolor de Aço já esteve mais otimista com a possibilidade de contar com o meio-campista. O nome, logicamente, é amplamente aprovado pelo técnico Rogério Ceni.

No contrato que vinha sendo alinhado, Jean Mota chegaria por empréstimo ao clube até o final do ano, com a obrigação de compra no final, caso algumas metas que foram previamente decididas, fossem cumpridas, como número de jogos e gols. Na mudança, o Peixe impôs alguns detalhes a mais e não aceitou que o pagamento fosse feito de forma parcelada pelo Tricolor. Além de obrigar o Leão a pagar todo o salário do meia-atacante de 26 anos.

No primeiro momento, o Fortaleza desembolsaria R$ 500 mil pelo empréstimo do jogador e no final do ano, pagaria mais R$ 1 milhão, pela vinda permanente. E no decorrer de 2021, iria arcar com algumas parcelas, que totalizariam R$ 3 milhões. Os números totais da negociação seriam de R$ 4,5 milhões. Lembrando que o Tricolor de Aço ainda tem 12% do passe do jogador. Em virtude das mudanças na pedida santista, o nome do meia, que era dado como certo no Parque dos Campeonatos, agora é visto como uma incógnita.
 
Fonte: O Estado - Esportes 
 Foto: Ivan Storti
SITE ETERNAMENTE FUTEBOL - NO AR DESDE NOVEMBRO DE 2010